Você é a única pessoa que pode se dar o que deseja

Jael Klein Coaracy

Jael Klein Coaracy

Seguir pela vida esperando encontrar alguém que possa preencher as suas carências ou atender às suas necessidades é ilusão. Para estar no comando da própria vida é preciso se responsabilizar por ela.

Autoestima se constrói de dentro para fora

Seguir pela vida esperando encontrar alguém que possa preencher as suas carências ou atender às suas necessidades é abrir mão de estar no comando da sua própria vida para construir ilusões.

Ninguém poderá fazer com que você sinta-se bem consigo mesma porque você é a única pessoa que tem esse poder. Embora o que os outros fazem possa levar você a ficar bem, por um breve espaço de tempo, trata-se de um efeito superficial e passageiro.

A autoestima, esse termômetro que determina o que sentimos em relação a nós mesmos é o resultado de uma construção consciente ou inconsciente.

Como formamos nossa autoestima

Geralmente, a partir das circunstâncias do nascimento, das experiências da infância e dos primeiros relacionamentos com pessoas importantes na nossa formação, criamos uma auto-imagem que irá se refletindo pela vida. Essa auto-imagem será a base para a construção da nossa auto-estima e irá influenciar diretamente a forma como nos relacionamos com o nosso próprio ser.

Se você recebeu amor, respeito, teve o reconhecimento da sua individualidade e necessidades, ganhou o presente de recursos valiosos para o seu processo de crescimento. Mas se você sofreu abuso emocional na infância, foi rejeitada, desrespeitada em suas necessidades, pode ter crescido alimentando a crença de que não tem valor. Ou, que não merece ser amada. Assim por diante

 

O  problema da baixa autoestima

 

O que acontece com pessoas que têm uma baixa autoestima é que elas seguem pela vida vivendo relacionamentos que são, na verdade, um reflexo do relacionamento que têm com elas mesmas.

Frequentemente, sentem um vazio provocado pela sensação de desamparo que as levam a adotar comportamentos destrutivos, como, por exemplo, compulsões diversas como o alcoolismo, comer em excesso, se envolver em relacionamentos abusivos, criar relações de dependência, e muitos outros padrões autodestrutivos.

Essas pessoas, em geral, não desenvolveram suficiente  amor próprio, sentimento que faz com que possamos reconhecer nosso valor, acolhendo os nossos sentimentos com aceitação e generosidade.

Elas buscam o amor desesperadamente, sem saber que antes, é preciso encontrá-lo dentro de si.

Se você sofre com uma baixa autoestima, corre o risco de estar confundindo amor com a necessidade de suprir uma carência afetiva. Quando a idéia do amor se mistura com o desejo de se sentir amada, existe uma tendência a alimentar sonhos de príncipes e princesas encantadas como uma forma de não entrar em contato com a própria dor.  

Não espere encontrar alguém que a resgate dos seus problemas e transforme a sua vida. Cuidado, porque são grandes as chances de você estar construindo armadilhas que a manterão presa à falsa crença de que as soluções virão de fora.

Chega da fantasiar a realidade

Quando isso ocorre, você projeta o que gostaria que que as outras pessoas fossem e passa a acreditar nisso, sem perceber a realidade e enxergar quem elas realmente são. Assim, passa de um relacionamento para o próximo, acreditando, a cada vez, que tudo será diferente, projetando mais uma vez sua fantasia em outra pessoa, só para se decepcionar no final.

Ou então, você se isola e se justifica de diversas formas, sem se dar conta de que está apenas se enganando, mantendo uma postura defensiva, para evitar sofrimento emocional. Isso faz com que acredite estar buscando o amor sem nunca encontrá-lo.

Os viciados em relacionamentos e os que os evitam costumam atribuir a culpa dos seus insucessos aos outros. Como se as outras pessoas fossem o problema. É que quando você se coloca no papel da vítima atribui a outros a responsabilidade pelo que lhe acontece. 

É preciso coragem para olhar para si e reconhecer o que esteve guardando todo esse tempo no seu interior.  E se propor a fazer uma faxina interior. À medida que for tirando os móveis do lugar, abrindo gavetas, vasculhando armários, parece que tudo se transforma numa grande confusão. As paredes apresentam manchas, rachaduras, o pó se acumula sob os tapetes, tudo fica fora da ordem. Da mesma forma, entrar em contato consigo mesma costuma trazer uma sensação de confusão e desconforto.

Antes de saber o que fazer – e como fazer – para curar a sua vida,  você terá que examinar tudo o que encontrar nessa busca- a busca do seu verdadeiro ser.

Vale a pena

Se passar por esse processo com aceitação, observando-se, sem julgamentos, apenas reconhecendo o que encontrar dentro de você, poderá se dar o primeiro dos presentes que estão por chegar: o acolhimento de quem você é, exatamente da forma como é, sem se negar ou se justificar.

Assim, poderá seguir o caminho que a levará até o amor.

Compartilhe

Outros artigos

Curando sua criança interior

Nunca é tarde para viver uma infância feliz. Entre em contato com sua criança interior e converse com ela. Ouça o que ela está guardando

Entre em contato